página inicial / informa / Proteção Solar : Perguntas frequentes respondidas por dermatologistas

Proteção Solar : Perguntas frequentes respondidas por dermatologistas

Os questionamentos, mitos, verdades e dúvidas sobre proteção solar, principalmente a mineral, são ainda muito frequentes.  Sabemos que à medida que pesquisas e estudos avançam, mais informações (ou dúvidas!) aparecem.

Neste quarto e último artigo da série sobre Proteção Solar, recorremos a duas dermatologistas parceiras, que se especializaram em dermatologia natural para responder perguntas frequentes de quem quer saber mais sobre proteção natural. São elas, a Dra Luiza Archer e Dra Patricia Silveira.

E se você ainda não leu os 3 artigos anteriores (links aqui, aqui e aqui), aconselhamos que leia também. Não tem uma ordem certa, pode começar por aqui. Mas achamos importante ler os 4 artigos para poder se proteger com saúde e escolher o protetor solar físico ideal para você, sua família ou sua loja.

  

FAQ sobre Proteção Solar

 

  • Os protetores solares químicos e físicos são, ambos, eficazes e seguros?
    A eficiência dos protetores solares é garantida, independente da forma de proteção (química ou física), desde que sejam feitos os testes exigidos pela Anvisa. Porém, estudos recentes apontam que os protetores solares físicos são mais seguros.Segundo a Dra Patricia Silveira, os filtros físicos, também chamados de minerais, são menos alergênicos e geram menos processos inflamatórios na pele. Por isso, quando são totalmente naturais, podem ser usados por qualquer pessoa. “É uma proteção solar muito saudável e democrática. Pode ser aplicada em crianças, pessoas idosas, peles sensíveis ou com tendência a alergias.”Em contrapartida, muitos filtros químicos são associados a toxicidade e bioacumulação, agindo como disruptores endócrinos. Além disso, há um potencial risco dessas substâncias para os ecossistemas aquáticos.

 

  • Como escolher um protetor solar?
    As dermatologistas Dra Luiza Archer e Dra Patricia Silveira são unânimes: a melhor opção é dar preferência a protetores solares físicos naturais – ou minerais, como esses produtos também são chamados.Mas por que é importante se atentar ao fato de ser natural? Além de evitar contato com filtros químicos, que não são seguros, também deve-se ter cuidado com o acúmulo de outras substâncias potencialmente nocivas, como conservantes e fragrâncias sintéticas.Entre as opções de filtros físicos naturais, outros fatores interessantes de analisar são as características dos protetores. “Para peles oleosas e acneicas, priorizar produtos oil free, não comedogênicos e com toque seco. Já para peles secas ou maduras, um produto mais hidratante funciona melhor”, explica a Dra Luiza Archer.

 

  • Qual é o FPS mais indicado?
    Para o dia a dia, em que a exposição ao sol é indireta, as dermatologistas consideram o FPS 30 suficiente. Já em situações de exposição direta e intensa, como praia, piscina e esportes ao ar livre, pode ser avaliada a necessidade de um fator de proteção mais alto, até 50.Segundo a Dra Patricia Silveira, os filtros solares com FPS 30 protegem contra 96% dos raios solares, enquanto no FPS 50, a proteção sobe para 98,8%. Ou seja, é uma mudança pequena na efetividade da proteção para um aumento expressivo no FPS. “Quando você pega um protetor 80 ou 90, é necessário combinar diversos filtros químicos e físicos para chegar a um FPS tão alto. Na minha opinião, a baixa variação no percentual de proteção não justifica a alta toxicidade do produto.”

 

  • Quando usar protetor solar?
    De modo geral, o uso de filtro solar deve ser diário. Nas atividades cotidianas, os protetores físicos em creme no rosto protegem da exposição indireta. Já em contato direto com o sol, os produtos em bastão são mais indicados, porque formam uma película que adere melhor à pele.No caso de exposição do corpo, como em praia ou piscina, o protetor solar precisa ser aplicado em toda a extensão da pele e, além disso, recomenda-se ficar na sombra.Em ambientes fechados, o uso de filtro solar é mais indicado, por precaução, para pessoas que têm tendência a manchas ou melasma e passam muito tempo em frente ao computador, que é uma fonte emissora de luz azul.

 

  • O protetor solar impacta na absorção de vitamina D?
    Atualmente, há divergências em relação a esse aspecto. A princípio, a síntese de vitamina D só aconteceria com a pele exposta sem filtro solar e, preferencialmente, no período do dia em que o sol está mais forte. Porém, já estão sendo publicados estudos mostrando que a absorção do nutriente ocorre mesmo com o uso de protetor solar.

Vale lembrar que os benefícios do filtro solar justificam o uso diário. Para manter os níveis adequados de vitamina D, existe a opção de repor o nutriente via oral, que é a sugestão da Dra Luiza Archer. “Com a situação em que está a camada de ozônio, a exposição solar é muito maior do que a nossa pele está naturalmente preparada para receber. Também estamos vivendo mais, então, temos mais tempo para desenvolver danos.”

 

  • Os filtros solares físicos deixam a pele esbranquiçada?
    Como os filtros solares físicos formam uma barreira física, é normal que deixem a pele com aspecto esbranquiçado. Para contornar essa questão, diversas marcas oferecem protetores com cor, embora ainda seja um desafio atender a diversidade de tons de pele no Brasil.Outro recurso desenvolvido pela indústria para reduzir o efeito chamado de “white cast” foram as nanopartículas de óxido de zinco e dióxido de titânio. Mas, como moléculas tão pequenas podem ser absorvidas pela pele, há sérios questionamentos sobre a segurança e a efetividade dessas substâncias na proteção solar.As moléculas micronizadas, amplamente usadas pelas marcas, ainda podem deixar resquícios de esbranquiçamento (caso não haja pigmentação), embora a tecnologia sensorial já tenha evoluído desde o lançamento do primeiro protetor solar físico natural do Brasil, em 2019.Para a Dra Patricia Silveira, o fato de o filtro solar físico não ser totalmente transparente pode ser visto por um lado positivo: quando a pele perde a película branca, ou o pigmento do produto, está na hora de reaplicar o protetor. “Precisamos assumir que o filtro solar perfeito, com a cosmética perfeita, ainda não existe e não sei se um dia vamos alcançar isso.”

 

  • Por que os protetores físicos são mais caros do que os químicos?
    A explicação está nas matérias-primas utilizadas nos protetores solares físicos. Primeiramente, as substâncias que bloqueiam a radiação solar são importadas e mais caras do que os filtros químicos. Além disso, as fórmulas são enriquecidas com outros componentes, como manteigas e óleos vegetais e extratos de plantas, agregando características de tratamento aos produtos. Nas resenhas dos produtos no LAB você irá encontrar a composição de cada formulação, com link de cada ingrediente para seu descritivo no BEAUTYPEDIA, a enciclopédia da beleza limpa. Assim, você saberá todos os demais benefícios do protetor solar que escolher.

 

[ Protetores solares físicos para conhecer, comprar  e recomendar ]

Se  você chegou até aqui mas ainda não navegou pelas resenhas dos protetores solares físicos que temos por aqui… faça já! No rodapé desta página você encontra um carrossel com link direto para as resenhas de produtos de 6 marcas que pesquisamos, testamos, confiamos, recomendamos e temos cupons de desconto em cada um desses produtos! Nosso presente (e das marcas!) para passar bem neste verão.

Agora é com você comprar conscientemente e usar corretamente!

Mas se ainda tiver dúvida ou quer revender essas marcas e produtos em sua loja, seja física ou virtual, entre em contato com a equipe do 13:20:HUB. Sempre temos alguém que irá ajudar!

 

Viva o Verão!

Conheça as Marcas

Compartilhe

13:20:NEWS
NO SEU E-MAIL

Inscreva-se e receba novidades!

Entre em contato com o 13:20:HUB